Ela, A Ferida

Por: Bianca Latini

Ela, A Ferida

Ontem falei com a ferida
Ela me disse que tem vida
Tem história e também memória
Me contou um pouco sua trajetória
Só não entendi bem de onde partiu
Mas captei que chegou até aqui, depois de tantas engolidas, silêncios, caladas
Disse que queria ter sido mais exibida
Menos recolhida
Mais espalhafatosa, escandalosa e menos medrosa
Procurou caber no peito, no joelho, no asfalto, na palma da mão
Só que tentando moldar-se em qualquer fôrma
Acabou por não caber em lugar algum
Desesperada, pulou da ponte
Jogou-se no rio
Não se despediu, mas partiu
E mesmo indo embora, ela deixou sua cicatriz
Que está bem debaixo do nariz
Para ser farejada, descoberta, desvendada
Assim que achar seu rastro inicial
Ela, enfim, poderá deixar o campo do ressoar.

Por Bianca Latini


Créditos da imagem: Unsplash

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: