Por: Mauricio Luz

Palavras, palavras…
São mais do que aparentam significar.
São cristais, forjadas no fogo da Terra,
Gerando encantamento ou volúpia, conforme os olhos que as admiram.
São veneno e fel, quando urdidas no calor do ódio e da raiva,
E escritas na tinta do medo, tornam-se mortais para quem as escuta ou lê.
São bálsamos quando florescem na beleza do amor e da compaixão
Que brotam do peito como a água pura rompendo a dureza do granito.
São mapas e caminhos, nortes oriundos de solidões e buscas perdidas,
Dos passos errantes que servem de esperança para quem tem medo de andar.
São sementes cuspidas, lançadas ao vento ou ao mar,
E germinam como frutos, doces ou amargos,
Como a aorta que lhes serve de horta.
São bombas incendiárias, que provocam caos e destruição
Ou pombas da paz, provocando calma e bem-estar.
Ah, palavras, palavras…
Quando tivermos consciência de vosso poder de Shiva,
Haverá palavra para descrever tamanha conexão, tamanho esplendor?
Ou o destino das palavras é justamente não ser capaz de mostrar
Em nomes, pronomes, verbos e advérbios
Aquilo que pode provocar?

Mauricio Luz


Créditos da imagem: Pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: