Categoria Diogo Verri Garcia

Por: Diogo Verri Garcia A verdade é que projetamos circunstâncias, como se elas fossem resolver nossos dilemas. Mas nossos dilemas subsistem por si mesmo, e não em razão dessas circunstâncias. Eles apenas estão lá como um objeto que é visto em razão do desfoque por um vidro; mas, melhorado ou removido o vidro, o desfoque […]

Ler mais

Os Considerandos

Por: Diogo Verri Garcia (Os Considerandos) Considerando que já há tantos considerandos,Que consideram-nos, no que houver a considerar.Que as promessas não se confundam com as preces,Que a sede não se ofusque com o mar. Levando em conta que é deveras torpeo que é do tempo e que restou vazio,Eis que nos causa arrepio,Só por não […]

Ler mais

Especial Dia dos Pais

Por: Diogo Verri Garcia (Especial Dia dos Pais) Há aquilo que não se aprende em toda eficaz literatura,Que são os abraços tão mais que fraternos.Em sua específica forma, em grande e apraz ternura.Daqueles que nos ensinam e moldam,Melhor que todos mais.A paz que a vida nos dá,Que temos em nossos pais. São os que abrem […]

Ler mais

Discrição

Por: Diogo Verri Garcia Discrição Se é pra pensar, e pensando,falar.Prefiro acabar-me em silêncio.Que, assim, silenciosamente sinto,Das dores minhas só, minto,e faço o meu próprio compêndio. Pois pra poder falar, tenho a certezaQue a leitura é só minha.E cada página virada,Haja tristeza ou beleza,uma ou outra haverá,apenas comigo,sozinha. Mas se tiver de falar,Só por falar,Em […]

Ler mais

Poema ao Verbo Namorar

Por: Diogo Verri Garcia Poema ao Verbo Namorar Namoro aquela cuja alma me agrada,Cuja paixão me afagaE me faz, em manter presença, teimar.De razão tão franca,A ponto de ter a doçura mais fácil e sincera;É a personificação da insistência severa,De mesmo, às minhas tolices, amar. Namoro – aquela que me acode e que tanto valoro […]

Ler mais

Pequeno detalhe pequeno

Por: Diogo Verri Garcia Pequeno detalhe pequeno O que é o gostar de alguém,senão um pequeno detalhe pequeno.Que é detalhe, posto que embaraçae resseca a boca, de súbito,mesmo quando a dose é pouca,age feito veneno; é sentimento.Tem jeito pequeno…por não saber sequer descrevero porquê de tender,do começar a gostar. Sei que há uma certa redundância.Ou […]

Ler mais

O teu abraço

Por: Diogo Verri Garcia O teu abraço O teu abraço é muito mais que um abraço,É um perder-se no espaço,No desenrolar do tempo.A ponto de o despertadorCaducar, permanecer em suspensão. A exemplo de a hora chegar e não querer sair,De o vazio não se completar, só para não se esvair;E o abraço macio entregar-se ao […]

Ler mais

Razão…

Por: Diogo Verri Garcia Razão…Que razão que tu tens a quedar-meEm tua alma a condição de espreitar-mePelo tempo do senão que tu tens?Não és nada mais…Não és ninguém,A pretender ter certeza do quanto valemeu bradar, teu soluço ameno, ou meu sorriso.O notar se agi de bom ou mau juízo,Isso porque, tão só porque, a verdade […]

Ler mais

Regresso das Águas

Por: Diogo Verri Garcia Regresso das Águas Até olhos d’água intermitentes,aclaram-me, tão mais que se preenchem,pois em muito aflitos.Entremeiam um curso em plano caudaloso,Em tenaz pranto honroso;tímido,resiliente aos vãos agitos. Que se isentam no ameno inverno,no qual não faz friopara que seja agoureiro,Mas ruborizam a névoa claraQue se escondem ao menor verão.São os olhos que […]

Ler mais

Passariúva

Por: Diogo Verri Garcia Passariúva Tanto que gosto desses ventosQue levantam nem tanto a poeira;Logo trazem o cheiro de chuva.Que, prometida tanto, assustam a madeira pesada,Dada a água arrastada…Sobre a passariúva.O que cai em grande quantidade,Não me precipita, de fato;É o tempo, só, já pesado; sem temperança,Revoando o meu papel.E esconde o sol, dentre um […]

Ler mais