Categoria Diogo Verri Garcia

Palavras Caminhantes

Por: Diogo Verri Garcia Palavras Caminhantes Há palavras que por mim não passam, Tanto que ficam retidas, feito um congestionamento. Tentam, mas param; busco percebê-las, mas não aderem. Funcionam feito vento na roupa, ao que se sente, mas não tocam a pele. A ponto de quererem saber, para tanto querê-las, meu argumento. Mas não preciso, […]

Ler mais

Vinte e Cinco

Por: Diogo Verri Garcia Vinte e Cinco O que há em beijos Que começam e te deixam? E ameaçam, com boca próxima, Não sente culpa; transparecem o desleixo De um nada mais… E veem sussurros Que terminam dando nós nos teus ouvidos, Que transforma o precavido, A aventurar-se nesse abraço, A deleitar-se, Sentir amor, viver […]

Ler mais

O que é oração?

Por: Diogo Verri Garcia O que é oração? O que é oração? Se não Uma outra forma de se fazer olhar? Quem alega ter fé, mas faz ao rancor a moção, Não tem vocação de se querer perdoar. É uma verdade que, de tão antiga, persiste E não importa quem é devoto, feliz ou triste; […]

Ler mais

Manual do Amor de Sempre

Por: Diogo Verri Garcia Manual do Amor de Sempre Ao pretenderes tratar Ou falar a quem se gosta, Não queiras mais se atormentar, Compreender, tergiversar. Para a sorte do teu bem, entenda: Não responder já é resposta. Quem quer encontrar, dá sempre um jeito, Não há razões, palavras, preceitos, um nada que justifique o sumir. […]

Ler mais

Flor em Canção

Por: Diogo Verri Garcia Flor em canção Está aí A coisa mais bela que a vida pra mim Trouxe em você e em mais ninguém. Insensato Eu me torno em seus braços em meio a carícias Até pra dizer que me faz tão bem. Não há problema em deixar transbordar Algum lugar lá no meu […]

Ler mais

Prosa Areada

Por: Diogo Verri Garcia (Prosa areada) Poesias trazem lembranças São rememoranças nossas ou de um qualquer outro. Que fazem do verso um guilhote; Tornam o verso um sopro De quem narra o amor que já passou e, antes do verso, era tanto esquecido. O poeta a isso não viu, Mas escreve tal como tivesse vivido. […]

Ler mais

Poema do Verso Demudado

Por: Diogo Verri Garcia POEMA DO VERSO DEMUDADO Foi Raiz da causa que apressava a alma, Ainda que assim tão pura, De tão aguda, antes já me desfez a calma Feito a luz de uma cheia lua, Feito dia, ampara e enternece. Entretece a luz pequena de uma chama em vela, Luminosa pouco quão, que […]

Ler mais

Verso Encaminhante

Por: Diogo Verri Garcia (Verso Encaminhante) Desceu a rua inteira, Só por tentar caminhar. Passou, insistiu e voltou, Só para tentar ver o mar. Aquele momento tão preso, Tornado e tornava-se tormento. Deixava a vida vazia Sem cor, de uníssono sabor já ansioso, mais insólito e isento. Ao menos, por sentir a vida por lá, […]

Ler mais

Poema em clausura

Por: Diogo Verri Garcia Poema em clausura O verso era longo demais, Para permitir caminhar por aí. Para ter cada passo firme, ou passo que jaz. Para ter o caminhar sincero como o poema que mais caminha sozinho, mesmo sem ter doçura. Porque o verso pensou: -será que sou só literatura Ou se sou traço […]

Ler mais

Batalha sobre as ondas

Por: Diogo Verri Garcia Batalha sobre as ondas Devemos caminhar longe daquilo que nos faz mal, Do que nos desalegre, Ou que nos extermine. Não é questão de regra, De bom trato social. Como se dizer adeus, Para, enfim, reabraçar fosse anormal. Mas há limitação entre o não triste ser E a busca do que […]

Ler mais