Categoria Diogo Verri Garcia

Por: Diogo Verri Garcia Ser poetaé um sentimento engraçadoQue apreende a pequenez do muitoe dá razão à grandeza dos traçosde versos que haviaOnde nada mais existia. A obra dele tem condãono porquê descompassadode dar tão certo.De tratar-se no simbolismo do acerto,E quedar-se desperto,Por sublimar a riqueza,Que os torna versos bem maisDo que as razões de […]

Ler mais

Verso Pacificador

Por: Diogo Verri Garcia VERSO PACIFICADOR Que a paz que o mundo rege,também te regre,e em muito, assim,te faça levee te dê tão mais. Que te encaminhe ao monteonde fortes ventos,soprem dondeSe acalmamos mais bravios temporais. Paz: que seja, ela sim, tua luz;Que haja em ti apenas,De tudo, um tanto mais.Paz,Que respire a cada ar […]

Ler mais

A Hora do Só

Repost | Por: Diogo Verri Garcia “A Hora do Só” Quando apressa-se em achegar a madrugadaEm que me finjo aos outros desfraterno,Pois não há mal que faça um ruído, um nada.Permaneço só, privado da distração malfamada,Pois é nesta hora apenasque tenho no silêncio um subalterno. Diferente de quando toca a alvoradaE tudo mais insiste em […]

Ler mais

Poesia de guarda

Por: Diogo Verri Garcia Ao poeta que não publicou,Poesia não é vinho de guarda: não é latente, é mostra.Pouco se aguenta tanto tempo assim a ser revistaQuer ser falada; se não lida, morre.Eis que sempre anseia em ser vista. Não te segures a ser inseguro com os versos,Pois ferrugem não cobre as veias de que […]

Ler mais

Dois do Onze

Por: Diogo Verri Garcia Dois do Onze Há mais um dia frio.Não há tantos sinos que dobrem,Ou candelabros que lotema exaltar mais chamas acesas.Postas estão algumas velas, tateando a mesa,Em um instante de paz, de pesar.Com preces todasdispostas no cruzeiro, no altar,Em respeito de quem deixou saudade e foi,pois precisou partir. É um dia sem […]

Ler mais

Poema do Amor em Prognose

Por: Diogo Verri Garcia (Poema do Amor em Prognose) Amar é a arte da mágoaQue se faz compartilhadaAté a felicidade que, por vezes, nos encontra,Em tantas, é por nós repassada,Na tentativa de achar,dentro do verbo amar,Uma resposta.Pena que não se sabe tanto ser felizE passa-se tão perto, por um triz,De quem de ti gostou e […]

Ler mais

Poema do Erro Redundante

Por: Diogo Verri Garcia Prezados Leitores, Em comemoração ao Dia Nacional do Poeta (ontem, 20/10), republicamos “Poema do Erro Redundante”, autoral, de 2019, dada a possibilidade de lidar com palavras, emoções, significados e até com a norma padrão, que o ofício da poesia nos garante. Tal como outrora expressamos em “Descredenciado Poeta”, de 2018, “a […]

Ler mais

Poemas Pálidos

Por: Diogo Verri Garcia Poemas Pálidos (#repost) Sorrateiramente, sem violência,Poemas vêm e vão.Como passagens de trem, como o verão.Nem todos são vigentes,confortáveis ou frequentes.Há poemas que são pálidos;outros, que são quentes. Quando encorpam, avançam e arrastamFeito forças do vento abrasivo, que é bravo.Quando desandam, são blocos de versoque não causam, nem intencionam.Sem sabor, não tencionam […]

Ler mais

Setembro

Por: Diogo Verri Garcia Setembro (#repost) Setembro bom,que de vez o inverno espanta.Já torna longas as tardes, encantaTodo aquele que observa um jardim de setembro.É tempoDo arvoredo quedar-se exulto,Envolto em flores, em chão de colorido tumulto,Que dura até meados de novembro.Setembro, o vento frio cá já não sopra mais o rosto,É mais quente que o […]

Ler mais

GRÃO E MIGALHAS

Por: Diogo Verri Garcia GRÃO E MIGALHAS (#repost) Por vezes, insistem em dar migalhas,Enquanto minha mente anda morta de fome.Fome por fome, estou acostumado,Mas não acho engraçado não saber ler meu nome. Parece até princípio de fim.Meio de vida é qualquer um, afinal.E se não acho um caminho certo para mim,O fim, no início, é […]

Ler mais