Alma Mater (o que não esclarece)

Por: Diogo Verri Garcia

columbia-university-1017928 (2).jpg

Alma encantada pela alma
Que de rubor lhe aparece.
Sem tal alma, não haveria nada.
Nem sombra na luz, nem alvorecer que espairece.
Carrega a minh’alma pesada,
desafinada, em um desarranjo a cumprir.
Uma alma engarrafada,
Já tão desafiada por ti.

Mas o que faz uma alma prezada,
Que não se desarma, em um notável aprender?
Que se mostra engulipada, por caminhar cansada,
Por querer proceder?

Alma que nota a sua sorte,
Quase galopante de tão forte que vai
em direção à alma que sorri, e se estarrece
Ao ver a noite enciumada,
Após a tarde ensolarada
lamentar que o dia esmorece.

(Diogo Verri Garcia, Rio 09/07/2019)


Créditos da imagem: pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: