Poema em clausura

Por: Diogo Verri Garcia

elect-1113053

Poema em clausura

O verso era longo demais,
Para permitir caminhar por aí.
Para ter cada passo firme,
ou passo que jaz.
Para ter o caminhar sincero
como o poema que mais
caminha sozinho,
mesmo sem ter doçura.

Porque o verso pensou:
-será que sou só literatura
Ou se sou traço de algo mais,
feito a rima que traz,
calor, amor e candura?
O verso não estava preso,
Só o poeta andava enclausurado,
Enquanto o mundo vivia a doença.
Ao ver a cidade parada,
Ao ver nada mais ser lotado,
Aguardava que a vida
retomasse em convalescença.

Era forma de ter o mundo sem deixar o lugar,
De reviver seus antigos e novos amores,
Sem nem poder ir beijar.
Mas o verso, bem que podia sair, andar, mas não quis.
O verso poderia zarpar, mas fincou raiz
Porque achou triste demais ser verso alegre
Em tempo em que a tristeza se faz, para uns, o albergue
E achou que era falho também ser verso triste,
Em momento em que ter esperança
É o bem que existe.

(Diogo Verri Garcia, Rio de Janeiro, 03/06/2020)


créditos da imagem: pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: