Geração X, Y, Z… até onde vai ser?

Por: Priscila Menino

Geração X, Y, Z… até onde vai ser?

Estava eu aqui refletindo sobre as gerações e as mudanças na sociedade. Eu faço parte de uma geração que, em uma grande maioria, teve pais que lutaram para buscar oportunidades de emprego e busca de condições melhores. As mulheres ainda estavam encontrando seu espaço no mundo corporativo e deixando de ter ser a única responsável por manter o conforto do lar e a criação dos filhos saudáveis e ortodoxos. Meu pai sempre nos contava que veio do interior do Paraná para a então recém capital do Brasil em busca de melhores oportunidades e para “crescer” na vida. Ele não pode estudar, pois tinha que optar entre estudar ou trabalhar para obter dinheiro para auxiliar na renda doméstica. Aprendeu com meu falecido avô a a profissão de mecânica. Acostumado a rir das mazelas da vida, meu pai vivia falando que meu avô falava: “meu filho, estude ‘medicina’, mas ele entendeu “oficina’” e acabou sendo mecânico por herança do meu avô. Meu pai é o que se pode denominar como uma pessoa autodidata, um verdadeiro “MacGyver fundido com Chuck Norris” (se alguns da minha época ou mais novos não souberem, perguntem ao oráculo Google). Para vocês terem ideia, já vi meu pai produzir peças para carros e resolver o problema mecânico do motor, arrumar armários em casa, fazer ajustes na lavadora, ajustar o jardim de casa, montar e desmontar um brinquedo que tinha parado de funcionar e fazê-lo ser ainda melhor após isso e mais umas mil coisas que envolvem uma furadeira, uma chave de fenda ou uma chave Philips. E o mais impressionante é que ele não concluiu a quarta série, mas, quando eu preciso de alguma ajuda, seja ela qual for, ele dá um jeito de aprender pra resolver. Não fala nada de inglês e não se ajustaria em uma sala de cursinho o ensinando o verbo to be, mas me ensinou a amar Beatles, respeitar Bee Gees, ABBA, Roxette, Air Supply, The Police e mais umas lista enorme de bandas e cantores internacionais.
Para compensar o que não teve, meu pai e minha mãe pagaram escola particular para mim e para meus irmãos. Houve dias que eu não via meu pai (muitos e muitos dias), pois ele precisava entregar os carros prontos e nunca teve uma organização de um esmero administrador de empresas, afinal, ele aprendeu com meu avô e ele também não era um bom administrador. Eu e meus dois irmãos tivemos oportunidade de estudarmos e nos formamos, pois meu pai de uma forma instintiva queria que fôssemos “dôtores”.
Eu saí de casa cedo, casei jovem e me formei jovem também, seguindo os passos da minha mãe, que se casou com apenas 16 anos.
Mas a maioria dos meus amigos não tiveram um caminho similar. Minha geração teve uma grande dificuldade de entender o que era se rebelar contra uma predeterminação que nossos pais queriam para nós, com os limites de ser exatamente o oposto.
Em seguida, veio uma nova geração, com ainda mais informação e acesso a tecnologia que acabou optando por não fazer os métodos tradicionais de educação, conheço tantas pessoas que optaram por não concluir o ensino médio, por exemplo.
Agora a ironia da vida é que curiosamente nossos pais ou avós não puderam estudar e ter uma formação acadêmica por não poderem, seja pela dificuldade financeira ou pela dificuldade de locomoção ou mesmo pela dificuldade geográfica.
Enquanto isso hoje a juventude está deixando de fazer os métodos tradicionais de postulados de “educação básica” em decorrência de uma opção.
Aí eu me pergunto: será que eu serei vista como uma pessoa antiquada pelos meus netos quando eu disser como era complexo o período de provas na faculdade e conciliar isso com os dois estágios que eu tinha nos turnos opostos?
E como estão as novas profissões que vai surgir na nova sociedade com essa juventude? Bem, aparentemente vamos esperar para ver e eu espero estar sentada tomando uma taça de um bom vinho e com propriedade dizendo aos meus netos: “me ensina a mexer nesse troço aqui, na minha época, a gente ainda precisava procurar as respostas, vovó não está habituada com essas mania de vocês…”


Crédito da imagem: pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: