Poema do Amor em Prognose

Por: Diogo Verri Garcia

(Poema do Amor em Prognose)

Amar é a arte da mágoa
Que se faz compartilhada
Até a felicidade que, por vezes, nos encontra,
Em tantas, é por nós repassada,
Na tentativa de achar,
dentro do verbo amar,
Uma resposta.
Pena que não se sabe tanto ser feliz
E passa-se tão perto, por um triz,
De quem de ti gostou e de quem, enfim, tu gostas.

É ver que no verbo amar há sempre um esperar,
vê-se a repetição
de crônicas, atos e poemas.
Há uma mudança de atores,
mas sempre, em vão, o então dilema,
a ponto de não se encontrar,
entre certezas e dúvidas,
amparos e medos,
Entre as variáveis mais expostas,
e até os irreais segredos,
Toda quem que já te fez mal,
Mas isso nunca fez, porque te amou.
E toda aquela que, ao amar a mais,
Feriu ou fez ferir,
Quando então viu que o amor deixou.

A arte do verbo amar
Não tem amparos, nem termos médios,
sequer cabe na conjugação
Quando o tempo do verbo é o presente,
eis que o passado não se assente
e o futuro não pode,
para então amar, ser aguardado:

Não se cabe em opção.
É verbo a ser proclamado
sempre em primeira pessoa,
desde que conjugado vivamente também por
uma alma presente,
Que se faça, na gramática do verbo,
patente e latente
uma feliz terceira pessoa.

E o amor assim que é, mutuamente, compartilhado.
Sem o qual nunca vale,
Não serás verdadeiramente,
nem amoroso,
nem verbalizadamente
amado.

(Diogo Verri Garcia, Rio de Janeiro, 04/10/2020).


Créditos da imagem: pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: