Categoria Diogo Verri Garcia

Às Menores Coisas

Por: Diogo Verri Garcia Não me busque Quando houver tristeza. Quando eu me fizer triste Que seja do tamanho exato do vazio Que cabe em um verso posto em guardanapo. Um pedaço de papel dobrado Contendo um esforço baldio. Que se perca, pequeno o bastante para não seguir adiante Não permita a ela destreza; aperceba […]

Ler mais

O Atrasado de Maio

Por: Diogo Verri Garcia O atrasado quando chega ao evento Passa esbaforido, quase tropeçante no próprio passo Acredita que o quase lustro perdido passado Serviu a todos a contento. E se atrasou, posto que mal percebeu seu descaso. Os que os aguardavam nem mais aquiesciam Que a presença vindoura seria alvissareira. E não foi: foram […]

Ler mais

O Escutar do Tempo

Por: Diogo Verri Garcia Apenas ouça Como passa o vento. O silêncio que traz o tempo. Silencioso ao não se notar passar. Ouça os risos dos amigos, Os suspiros contidos. E ao pé do ouvido, Ouças as palavras de que irás se lembrar. Escolha a bela música que te toca, Leia o verso que mais […]

Ler mais

Por uma Bossa Nota

Se tivesse tão boa vontade, te daria uma nota Que não demore mais que muitas frações de segundos, uma semibreve. Para tornar teu sorriso ainda mais leve feito a canção que leve à bancarrota As tolices mais idiotas Que, quanto a mim, te deixam confusa. Se tivesse uma inspiração, talvez não sei se te faria […]

Ler mais

Poema do Erro Redundante

Por: Diogo Verri Garcia Inicio meus versos nos erros; Desacertados. Vindos de uma surpresa inesperada, Guardada há anos atrás Que impediu o planejamento antecipado. Na vida, entre um fado e um fato, Em metades iguais. Visou seu desgosto ao largo, Sem encará-lo de frente. Fez como quem favoravelmente assente E pouco caso faz, até. Com […]

Ler mais

Praias sem sol

Por: Diogo Verri Garcia Mal o sol sai, O mar já começa a bravejar. O que há contigo, sol, que tornas mais árduo o mergulhar? Salienta na areia a palidez de uma manhã sem temperamento, Sem o solar de luz, sem vento. A praia é mais calma, mansa. Há menos gente, menor o rubor eloquente […]

Ler mais

Poema às multidões

Por: Diogo Verri Garcia Atenção com as ruas ocupadas demais. Elas trazem em demasia gente, para ti sem importância, Uma sensação sem elegância que pouco te apraz. Tantos que passam por ti, Que te cruzam o caminho sem você se importar. Não percebes quantos no rosto trazem algo a sorrir, Ou mesmo quando têm a […]

Ler mais

Duas Estações

Por: Diogo Verri Garcia Quem reza por duas orações Acaba se enganando e caminhando a pé É como pretender ter dois quinhões, duas prendas, duas estações; No mar, duas marés. Aprenda que nem tudo que alimenta, que é bom em sinergia, Deve ser dobrado, para ser tido em dubiedade. É bom viver feliz, na causa […]

Ler mais

Proposicional

Por: Diogo Verri Garcia Proponho a singela mania De entregar-se à euforia antes que ela se acabe. Proponho acabar com o “e se”, gostar mais de você antes que a vida se apague. Proponho que me peça ajuda quando a alegria for muita para vivê-la a só. Garanta que a passagem não seja fajuta Que […]

Ler mais

O tempo do tempo.

Por: Diogo Verri Garcia Depois de um pouco esperar, o tempo chegou. A demora nos trouxe sobriedade em saber que a distância do tempo não é intocável, que a vontade melhor difere da nossa vontade. É um caminho que não engrandece a angústia, Eis que angustiados somos nós, per si. É passagem por onde não […]

Ler mais