Poema de vigília

bell-3426313 (2)

Por: Renato T. de Miguel

Ao toque do sino
Vibraram tuas velas
Convoco as funestas baladas
Sorvi teu incenso
Soprei a bruma ocre
Sorri à iminente jornada

Sei bem quem és tu
Teus dias escuros
Teu peito ligeiro a arder
A ânsia de um fraco
A farsa em tocaia
Teu grito em silêncio, ó prazer!

Sou quem tu procuras
Nos becos da alma
Teus medos são bestas aladas
A razão tão distante
Qual lua minguante
Bravura, uma fera esgotada

Servi, tão contente
O sangue em teus lábios
Farejo o terror trovejar
A morte te segue
Os olhos já falham
À alma só resta chorar

Não há mais sentidos
Tampouco há razão (eu sei)
Encarno e contemplo teus medos
Os monstros se erguem
Brandindo navalhas
Teu lar é um deserto desfeito

Loucura! É o que dizes
Teu sangue não mente
Escorre das mãos à cabeça
Seus olhos fechados
E os punhos cerrados
Aprendem a velar a tristeza

Mas nunca me culpe;
E aqui lhe questiono:
Anseias ainda acordar?
Vá entorpecido
Curvado e ferido.
Ao menos consegues sonhar.

Renato Miguel, 29/07/2018

Créditos da imagem: Disponível em: < https://pixabay.com >. Acesso em: 29 jul. 2018.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: