Categoria Renato T. de Miguel

Sobre Dragões e Insetos

Por Renato T. de Miguel Há pouco mais de dez dias assisti pela terceira vez Blade Runner 2049. Esse é um grande filme por diversos motivos, o visual impecável (fotografia, design de produção, efeitos visuais), a história que segue e expande o universo introduzido por Ridley Scott em 1982 e, principalmente, os temas narrativos que […]

Ler mais

As Janelas e os Vitrais

Por Renato T. de Miguel No mundo da lua, vez ou outra me via pensando em Camus. Ele dizia que o homem chega aos trinta e assim afirma sua juventude, ao mesmo tempo em que se põe diante do tempo e reconhece ali o seu inimigo; trata-se da morte, que se agiganta à sua frente […]

Ler mais

Os Meninos de Vila Isabel

Por: Renato T. de Miguel. Eram cinco horas e acordei com as primeira luzes da manhã, mas não foram elas a razão do meu despertar. Era aquela sinfonia de caos, sons tristemente corriqueiros em Vila Isabel, na zona norte carioca. Rajadas, estampidos, estouros; parecia que todas as armas do morro e da pista foram lustradas […]

Ler mais

Deus de Vidro

Por: Renato T. de Miguel A um deus de vidro sua afeição se ajoelhava Trilhas sem norte são promessas de ilusões Um esgrimista sem florete, sem espada Um enxadrista sob as ordens dos peões Sobre a cabeça uma coroa fraturada Suas sentenças, sua justa inquisição No horizonte seus exércitos sem farda No asfalto negro escorre […]

Ler mais

O que eu não sei sobre o amor

Por: Renato T. de Miguel Aonde você foi? Há tempos foste embora. A imagem do teu canto Não tarda, mas demora. Quem disse que há vida Nos veios desta estrada? Cala e me assombra. Berra e não diz nada. Prossegue e não enxerga. Procura e não encontra. Discursa e ninguém ouve. Não bebe, mas derrama. […]

Ler mais

Poema de vigília

Por: Renato T. de Miguel Ao toque do sino Vibraram tuas velas Convoco as funestas baladas Sorvi teu incenso Soprei a bruma ocre Sorri à iminente jornada Sei bem quem és tu Teus dias escuros Teu peito ligeiro a arder A ânsia de um fraco A farsa em tocaia Teu grito em silêncio, ó prazer! […]

Ler mais