Deus de Vidro

Por: Renato T. de Miguel

A um deus de vidro sua afeição se ajoelhava
Trilhas sem norte são promessas de ilusões
Um esgrimista sem florete, sem espada
Um enxadrista sob as ordens dos peões

Sobre a cabeça uma coroa fraturada
Suas sentenças, sua justa inquisição
No horizonte seus exércitos sem farda
No asfalto negro escorre o sangue dos irmãos

Em seu reinado nossa raça é lei divina
E os deuses-homens vivem em torres de marfim
No seu discurso o amor é feito cocaína
O ódio à paz, como o princípio, o meio e o fim

E os condenados como números sem alma
Nus e descalços, seu pecado era existir
Aos pés de Deus os filhos morrem na calçada
À prata amada o seu fadário era servir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: