Categoria Sem categoria

O tempo do Tempo

Por: Mauricio Luz O tempo do Tempo Tão cheio é meu dia Tão vazio ele parece Tão cheio de boletos, obrigações, tarefas Tão vazio de sol, flores e poesia O Tempo me encara Pergunta a mim quando darei tempo Ao tempo que realmente quero levar “Em breve!”, respondo, “Em breve!” E o Tempo apenas sorri […]

Ler mais

Vinte e Cinco

Por: Diogo Verri Garcia Vinte e Cinco O que há em beijos Que começam e te deixam? E ameaçam, com boca próxima, Não sente culpa; transparecem o desleixo De um nada mais… E veem sussurros Que terminam dando nós nos teus ouvidos, Que transforma o precavido, A aventurar-se nesse abraço, A deleitar-se, Sentir amor, viver […]

Ler mais

Poema do Verso Demudado

Por: Diogo Verri Garcia POEMA DO VERSO DEMUDADO Foi Raiz da causa que apressava a alma, Ainda que assim tão pura, De tão aguda, antes já me desfez a calma Feito a luz de uma cheia lua, Feito dia, ampara e enternece. Entretece a luz pequena de uma chama em vela, Luminosa pouco quão, que […]

Ler mais

Ignorância

Por: Mauricio Luz Ignorância A um sábio perguntei Como o coração dominaria. Por violência ou magia O que fazer eu teria? Sem olhar para mim Ele me respondeu: “Como tantos no mundo Você ainda não entendeu” “Se não pode o navegante Mudar o rumo dos ventos Como pode você querer Dominar seus sentimentos?” “Faça como […]

Ler mais

Perspectivas #0 a #3

Caros leitores, Publicamos agora no site os quatro primeiros textos do projeto Perspectivas, já anteriormente apresentados em nossa conta de Instagram (@literarteweb). A seguir: Perspectivas #0 – “Carta em Entrevista“, poema de Diogo Verri Garcia, declamado em três vozes (de Bianca Latini, do próprio autor e de Erika Nunes, nossa leitora); Perspectivas #1 – “Fotografias“, […]

Ler mais

Clarão da Mente

Por: Bianca Latini Em tempos difíceis fortifica-se o que se tem para fortificar Onde laços não há Termina de afrouxar Situações extremas nos fazem enxergar Fica mais fácil separar O joio do trigo Os homens dos meninos O que é amor ou acomodação O que se fazia só por obrigação O que é vital e […]

Ler mais

Obscuridade

Por: Bianca Latini (Obscuridade) Sim, eu perdi Eu caí Eu chorei Eu amei demais E não fui correspondida Eu não fui destemida Eu errei Não olhei bem Não saquei Não escutei Me perdi E não me achei Procurei o caminho de volta E não encontrei Eu usei mal a palavra E ela, assim, como a […]

Ler mais

Poema 618

Por: Tadany Cargnin dos Santos Eles batiam, sem misericórdia e agressivamente, na porta do meu lar Eu com medo, me escondia em qualquer canto possível Mas não adiantava, porque eram meus sonhos inatingidos, querendo se exaltar Uma imagem que não cessou, enquanto eu não os tornei visível. PS: Para citar este Poema: Cargnin dos Santos, […]

Ler mais

Facultas

Por: Mona Vilardo Hoje, bem mais perto dos 40 do que dos 30 anos, posso dizer que meu estado social é facultativo (como se fosse estado civil, entende?). Se tivesse que preencher algum documento que pedisse tal informação, eu colocaria isso. Totalmente o contrário de quando era bem jovem, época que procurava estar em todos […]

Ler mais

Nada – Thiago Amério

Às vezes me sinto burro, às vezes inteligente, me sinto assim porque só sou eu, e como só sei que nada sei, e no fundo nada somos, a sensação passa e nada.  

Ler mais