books-1149959

Por: Alvaro Assis.

Eu fico daqui imaginando palavras
Juntando fonemas que não se arrumam
Consoante, vogal, consoante, ditongo…
Eu olho pra sua cara e a letra se cala
Eu beijo fundo seus lábios e o vocábulo se desusa
E como um jogador, sem uma das pernas,
A caneta cega, depois da mente falir
O teclado se apaga, o idioma padece
E as mãos desaprendem a caligrafia mais simples…
Bê com á faz…?
E, com o resto da lira que tenho, escrevo estas sobras
Pois, em sua presença, o poeta se desfaz
Sem ter maneira digna de expressar palavra que te valha.

(Alvaro Assis)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: