O teu abraço

Por: Diogo Verri Garcia

O teu abraço

O teu abraço é muito mais que um abraço,
É um perder-se no espaço,
No desenrolar do tempo.
A ponto de o despertador
Caducar, permanecer em suspensão.

A exemplo de a hora chegar e não querer sair,
De o vazio não se completar, só para não se esvair;
E o abraço macio entregar-se ao afago,
Sem precisar explicar;
Sem carecer de argumentação.

O teu abraço
é meu melhor argumento.
É meu lado carente,
meu acontecimento.
Que faz a chuva chegar e não querer cair;
Pois que, mesmo possa nos aprisionar,
Ela não quer anuir
Perder-se esfacelada no vazio de um solo,
onde não há o abraço…
prazente tal qual o nosso, com tanta
afeição.

O teu abraço
é tanto mais que um sorriso,
No que a vontade não me cabe aos olhos e, assim,
me perturba.
E peço licença ao sangue que mancha as pedras,
à espada que serra as terras,
Às primaveras desnudas.
Do que me fala Neruda não importa mais…
que o teu afago.

O teu abraço
Cria até no vento frio ser tão boa aventurança.
Faz-me sentir-me alegre, em bonança
Por ver o mundo todo passar,
Por ter a vida inteira parada, a deixar…
E poder estar aqui…
em teus abraços.
E nem me queira rimá-los com teus passos,
Pois que me atormenta o daqueles sair.
E sem eles ficarei…triste a estar.
Só por andar, tonteante por aí.
Carente de paz,
Sem ter argumentação.

(Diogo Verri Garcia, Rio de Janeiro, 03/05/2021)


Créditos da imagem: Pixabay

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: