Poema às pressas

Por: Diogo Verri GarciaIMG-20180924-WA0035

Somente preciso fazer um poema,
Pois me fiz esquecido da data certa
Ou mesmo tão ocupado, sem mal ter dormido
Sem tampouco poder ter parado,
em um esforço aguerrido,
que passou por mim, passado e batido,
o momento que o verso esperava
de porta aberta.

O verso esperou e cansou,
eu nem percebi
Em meio a papeis retocáveis,
autores e petições
O verso prometeu ser tenaz
Mas havia Tribunais
e deles eu quis fazer citações
em meio a acórdãos, autores e réus – não réis
Pois hoje foi dia sem dó, nem dores, sem sono
Devotado a desalojar argumentos
dos conhecidos aos novéis,
A compreender não amores, mas jurisdições.

Por causa disso o verso zangou-se,
Ficou triste comigo,
E por se ter encontrado afrontado
levou embora as outras palavras,
deixou-me quase desarmado,
pensem em um advogado
cujas frases acordaram
e foram.
E por culpa do enciumado verso,
Não raro tenham partido.

(Diogo Verri Garcia, Rio, 26 de junho de 2019)


Crédito da imagem: arquivo pessoal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: