Categoria Poesia

Nutriente (Bianca Latini, autora convidada).

Por: Bianca Latini. Quero juntar minhas cinzas E nelas ressurgir Sentir as minhas dores E nelas me curar Desentupir minhas veias E meu sangue drenar Canalizar meu rio de pensamentos Para o melhor mar Tocar os pés no chão úmido da floresta Experimentar o orvalho em minha pele tocar Quero falar manso Ouvir as águas […]

Ler mais

Acima das Nuvens

Por: Thiago Amério Acima das nuvens Por cima do céu É tudo azul e branco Tipo Nossa Senhora Que enxuga o pranto De dia as nuvens Parecem o lençol do céu Lá é onde o espaço Descansa do caos Abaixo do sol e acima das nuvens Há um mundo de calmaria Onde os poetas revoam […]

Ler mais

Balaio Torto das Ruas

Por: Diogo Verri Garcia. Dedico Aos que emburrecem, ao viver o amor que eu não vivi. Ao refrasearem a canção que não obrei; Os refrões que, sem percussão, cantavam. Ao criticarem os beijos sinceros que, beijados dela, dediquei, Mas que eram pouco mais, para caminhar nos passos Que, falseantes ou falseados, mesmo importantes, não prossegui. […]

Ler mais

Quando o vento se torna em aragem

Por: Diogo Verri Garcia No marco zero, tudo é calmo e quieto Que de tão silencioso é deveras isento. É quando começa a aragem. Que movimenta o silêncio De rumor rigoroso, experto. De acanhamento que chega a ser lento, Mas que já muda algo em paisagem. Ouve-se um zumbido que apita ao ouvido Pois não […]

Ler mais

Ruptura (Bianca Latini, autora convidada).

Por: Bianca Latini Ruptura Hoje desejo fazer uma faxina geral Varrer de mim, de minhas entranhas Todo lixo acumulado Todos os medos incorporados Toda impotência acreditada Toda menos-valia espelhada Toda arrogância vestida Toda dependência assumida Sem saber que sou dona de mim e das minhas escolhas Que não sou joguete na mão do acaso, das […]

Ler mais

O que se vê só nos olhos

Por: Diogo Verri Garcia Sobre os olhos que não falam E imaginam tudo da falsa verdade. Não serenam, mas se calam, Repercutem agudos, mudos, esclarecidos, sem sinceridade. Despejam sobre outros olhos, sem calma, todo rancor, Tudo de súbita vez. Transcendem a olhares agressivos, Aqui já apreendidos, tal como já perceberam vocês. Se os olhares não […]

Ler mais

Verso em Processo (Rua Acre, 80)

Por: Diogo Verri Garcia Levo a vida como posso E dos meus dias faço verso. A cada hora escrevo prosa para os amores que eu prezo. Mas aqui é o adverso, Vejo lá a Guanabara. Misturo o verso e o processo E a luz do sol invade a sala. E aqui desta janela, Vejo a […]

Ler mais

Frango na Sauna (Parte 2)

Por: Mona Vilardo E foi nos últimos dois meses que o inusitado me pegou de frente. Uma crise de estafa acompanhada de uma crise aguda de ansiedade. Entrei para as estatísticas do mal do século? Logo eu? Quem programou isso aí para mim? Em qual compasso estava escrito que isso ia acontecer? Essa aula de […]

Ler mais

Machado

Por: Thiago Amério Corta a lenha. Esmera quando afiado. Quando cego, machuca. Se empunho com jeito É instrumento perfeito. Defende vulneráveis. Ataca covardes. Protege quem precisa. Lapida a madeira. Odin, tupã, Zeus ou Xangô Machado é fogo de amor Créditos da imagem: pixabay

Ler mais

Enquanto houver mar

Por: Diogo Verri Garcia Deve seguir a navegar, Enquanto houver mar. Falou-me, ao vento, o pescador antes de ir. Zarpou no pesqueiro, recolhendo cordas Para se soltar. Foi tudo o que contou, antes de no mar quase se afogar. Ou porque perdeu coragem, Ou porque pecou por sorrir. Soube por outrem que as ondas eram […]

Ler mais