Diva – n° 40

Por: Tadany Cargnin dos Santos

 

Nas curvas do teu corpo, me perdi e me encontrei

Da fonte de teus cabelos, jorraram delicadas carícias

Do vento de teus suspiros, ouvi melifluentes canções

Do suco de teus beijos, recebi doses ferventes de amor

No sul do teu equador, naveguei por cálidos e fluídos rios

De tua essência, recebi inexprimíveis nectares

De todas as tuas partes, carrego vívidas e exuberantes memórias

Mas dos teus olhos, aahhh teus olhos

Esta janela mágica da alma

A concentração mais sutil de tua personalidade

A chama por onde tu ardes flamejante

O ninho afável que acariciou meu ser

A gentil brisa que soprou no âmago desta existência

Teus olhos, aahhh teus olhos

Eles são ternura

Pitadas de loucura

Gotas de aventura

Migalhas de amargura

Ora ditadura, ora brandura

Ora diabrura, ora pura

Ora fervura, ora candura

Centelhas dóceis de finura

Uma estrela cadente que, porventura

Abraçou-se nesta envoltura

E criou um conto

Uma fascinante história que,

No livro de tua pessoa,

Foi uma transcendente leitura. (Tadany– 10 12 12)

PS: Para citar este Poema:

Cargnin dos Santos, Tadany.Diva – n° 40.www.tadany.org®

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: