Morte com Prosecco

IMG-20181102-WA0030

Por: Mona Vilardo

Essa semana dentro do meu fantástico mundo, me peguei propondo um jogo pra mim. Aqueles momentos eu comigo mesma, sabe? E se me restasse apenas um dia de vida, o que eu faria? (Que jogo, hein, dona Mona?) Bem…jogo é jogo. Bora começar.

Se isso acontecesse, o que menos eu iria me preocupar era com a morte, afinal eu iria querer viver muito as próximas 24 horas, e pensar naquela caveira (ou algo semelhante ao que já vi em filmes de terror) segurando uma foice, não me ajudaria a simpatizar com o meu derradeiro fim! Deixaria de lado pequenos anseios, queixas e assombrações (já basta a senhora citada acima)

Nesse meu último dia, comeria sozinha uma barra inteira de chocolate ao leite – para quem vive de dieta como eu, isso seria um fato histórico/calórico antes da última curva.

Ah, eu dançaria na chuva gargalhando alto… Ok, eu já curto fazer isso sem essa pressão de morte e coisa e tal, mas da última vez que fiz, peguei um resfriado. Só que no cenário de morte iminente, dane-se o resfriado, eu já iria morrer mesmo…

Certamente eu iria abrir um Prosecco, essa bebida sempre está presente nos meus momentos felizes com amigos. Quem sabe eu poderia até chamar a senhora Morte para brindar? Aproveitaria para encenar à minha maneira o texto de Woody Allen “A morte bate à porta”, que li na juventude:

– Por favor, um Prosecco aqui na mesa, para mim e para essa senhora! Qual seu nome mesmo? (Eu tirando sarro da morte)

“Tirando sarro da morte” … só quem não se preocupa muito com ela que poderia fazer isso – no caso eu, com as poucas horas que me foram impostas. Genial!

Por fim, se me restasse apenas um dia eu iria ser ainda mais a protagonista da minha vida, e diria pra essa senhora: – Quem manda nessa mesa sou eu, o Prosecco vai ser Moscatel, sim, e pose pra foto, senhorita!!!

E, claro, iria ao encontro da Morte cantando! Paulinho Moska seria a pedida: ” Meu amor, o que você faria, se só te restasse esse dia? Se o mundo fosse acabar, me diz o que você faria. Ia manter sua agenda: De almoço, hora, apatia? Ou esperar os seus amigos, na sua sala vazia?” Poxa, Moska. A parte da apatia eu tiro da minha cantoria de despedida. Uma vida apática não vale a pena ser vivida, e isso eu te asseguro que a minha não é. Se assim fosse, a morte já estaria fazendo parte dela bem mais do que nas últimas 24 horas que me restam. Peço licença ao compositor, mas vou “matar” essa parte da música.

Pronto! Fim do jogo!

Que estranho imaginar minhas horas sendo diminuídas, roubadas de mim assim…. A verdade é que começamos a morrer assim que nascemos, e muitas vezes vivemos achando que sempre teremos tempo: “amanhã eu faço”, “quando ficar mais velho”, “ah… deixa eu me aposentar”, “to esperando meus filhos crescerem” … “to esperando”…

Ih…começou a chover! Tchau, pessoal, vou lá fora dançar!

Marielle e o futuro

Por Thiago Amério

Menos dois
Motor e motorista

Mortos
por mais babaquice

Mais do mesmo
Menos de todos

Nunca será mais um
Quem luta por toda maré

Porque não é a própria vida
Que lhe mantém de pé

O que traz sustenção
E motiva o jornada
É o afeto por outra vida

Somando sentimentos
Formando o legado
Uma ideia não morre
Transcende o passado

O futuro ganha forças
E o desejo continua
Quando a luta é por todas
Nossa, minha e sua

Democracia ou festivais

railway-station-3714297_1920

Por: Diogo Verri Garcia

No fundo, nunca o serão.
Mas serão intensos,
serão de menos, serão de mais.
Idênticos, nunca se tornarão;
Sequer parecidos:
eleitores e amores nunca são iguais.

O princípio da escolha é condição para a democracia.
Mas entre nós dois não há Estado,
estamos todos a viver.
Falantes, risonhos, tristes ou distantes
– que se abra outro frisante -,
Olhos nos olhos, fim de tarde,
noite fria.
E te pergunto, flor: que te basta para escolher?

Na observação da alma, os olhos são fundamentais;
Na condução do barco, desejante o vento voraz;
Na explosão do beijo, há puxões, unhas e palmas;
Na angústia do voto, balança a calma.

Como disse Castells, em Ruptura:
“Pois bem, se as coisas são assim”,
O que posso fazer por outros
por seu próprio bem?
O que posso fazer por eles
se não faço nem por mim?

Há eleitores comedidos que também nos leram.
Outros, pouco contidos, são cegos, mas edazes.
Democráticos são só os beijos que mais se esconderam
Despóticos são os momentos em que tentamos as pazes.

E tu, o que tu fazes?

Tanto fez, não há o que se mude mais:
Eleitores e amores nunca nos darão completa paz.
Andam tão intensos quanto o balanço do barco
nauseado em temporais.
Chegam a ser só combativos,
mais desprecavidos que as paixões de festivais.

E então, com toda razão, ela pergunta ao rapaz:
– e aqui, o que no amor se faz?
Há democracia: entre nós dois, que não se mude.
Que haja progresso e paz.

(Diogo Verri Garcia, Rio, 31/10/2018)


Crédito da imagem: pixabay

Alegorias de gente

Por: Tadany Cargnin dos Santos

 

Todos na mesma onda, humanos sobreviventes

Alguns na miséria, outros descendentes

Muitos lúcidos, vários dementes

Uns elevando-se, outros decadentes

Alguns fervorosos, outros descrentes

Muitos tranquilos, vários impacientes

Uns foscos, outros fulgentes

Alguns energia, outros entorpecentes

Muitos transitórios, poucos permanentes

Uns modestos, vários prepotentes

Alguns descaminho, outros oriente

Uns melifluência, vários estridentes

Muitos comportas, poucos vertentes

Calidoscópio terrenal, alegorias de gente.

PS: Para citar este Poema:

Cargnin dos Santos, Tadany.Alegorias de gente.www.tadany.org®

Lobo bobo, porco tolo. Será?

Lobo

Por: Mona Vilardo

Essa semana eu me peguei pensando num livro infantil chamado “A verdadeira história dos três porquinhos”, talvez o dia das crianças me fez ir atrás dos livros infantis que tenho na estante, alimentando sempre o mundo das ideias.

No livro, o lobo, que se chama Alexandre, conta a sua visão da história, convencendo à todos que ele realmente não fez nada por mal.

Alex – é o apelido do lobo no livro – diz que ninguém nunca escutou o lado dele da história, e narra a saga por uma xícara de açúcar para fazer um bolo de aniversário para a sua avó. Ele alega que os três porquinhos foram burros demais ao construírem casa de palha, lenha e tijolo. Em sua defesa ele diz que teve uma crise de espirro, exterminando com todas as casas suínas, e lá dentro, os porcos se encontravam mortos!

– Como não comê-los, uma vez que já estavam mortos, parecendo lindos toucinhos? – Pergunta Alex para o leitor.

É, toda história tem dois lados. Julgar ou defender o lobo ou os porquinhos, esbravejando ódio e impropérios, não melhora nada, pelo contrário.

Bem, defendendo o ponto de vista do Lobo Mau, podemos concordar com a fragilidade das casas construídas pelos suínos. Por outro lado, o lobo demostra que “a ocasião faz o ladrão”, ditado que, ao meu ver, não é nem um pouco pacificador em tempos sombrios.

Talvez os três porquinhos não tivessem ideia do que estavam construindo quando fizeram suas casas e não procuraram saber as reais necessidades de cada terreno. Tolinhos?

Talvez também, o Lobo Mau não quisesse “jantar alguém” e tá mais para um lobo bobo, como a música de Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli fala. No final de tudo, Alex vai ser levado pela coleira e ficar sem jantar. Ai, ai, ai, seu Lobo!

Três Porquinhos ou Lobo Mau? Quem tem o verdadeiro discurso?

Cada um com a sua versão, cada um com seu eleitorado. O único problema vai ser se o Lobo Mau resolver “pegar as criancinhas pra fazer mingau”.

Aí, vai dar ruim pra todo mundol!

Mona Vilardo


Livro: A verdadeira história dos três porquinhos, por A. Lobo.

Autor: Jon Scieszka

Companhia das Letrinhas.

Voar ​

Por Thiago Amério

O pássaro atravessa o ar

Plaina na imensidão azul

 

Ninguém observa o vento

Que por baixo

empurra a gravidade

 

Não fosse as asas

Que abraça o vácuo

Ninguém voaria

 

Portanto, força no movimento

É pela batida das asas

Que o céu fica completo

Trigésimo Segundo Tempo

IMG-20180924-WA0048

Por: Diogo Verri Garcia

Quando chega perto a hora
Em que o dia outra vez se aproxima,
O tempo é o tempo, que não corre: assenhora.
Fez-se velha, a passagem que ontem era menina.

O relógio bate vinte e três,
Cria-se a expectativa pela hora derradeira a chegar
Assombrando chega, outra vez, minha vez.
Cursando, passa: o tempo, arredio, sem cessar.

Pavilhões de vida se estreitam, torneando a cabeça.
O eterno e longo ano, hoje vejo: foram segundos.
Logo se farão presentes os que o gracejo mais se mereça,
Os mesmo que não saberei por quantas tardes mais estarão no mundo.

Na infinita data, pensam até meus pensamentos,
Que tem suas próprias reflexões, que fazem em si sua terapia.
Como passa o tempo, passa hora, passa ano, passa dia.
Passam as alegrias – que deixam alentos; porém passam também os maus ventos.

No prédio vizinho toca em piano uma melodia, hábil como vitrola,
Um cântico de som bonito, feito as canções que bem rimam.
Cuja letra não sei quem fez, qual o tom, se de hoje ou de outrora
Quando tento perceber, a canção cessa:
Segue-se silenciosa pausa; em seguida, uma nota de choro (humano) cristalino.

Mas me volto para a hora que se assemelha,
Semelhante aos pensamentos que são só meus.
É o único dia em que penso constantemente no tempo,
Somado às escolhas, ponderando as provações, aquilo que Deus deu.

Os que fartamente sorriem, aqui sei: são sinceros.
Pelo menos esta é uma particular parte de mundo sem maldade.
Em que os abraços apertados são felizes, os votos de paz têm pazes.
E, o amor incondicionalmente subscrito, eu assevero.

Como um curso d´água, corre o tempo,
Em tal feliz roda da vida.

Lembro quando era pequeno guri, o menor menino,
Em data parelha, vi, longe no céu, pontos de luz que alguém compôs
Como passa… rápido o tempo corrente, esvoaça feito pó fino,
Na imagem que, na ambiental lei, emolduraria o quarenta e dois.

No período a mais que se transpassa,
espero ter feito nenhum mal, só bem.
Ainda pensante, preencho a taça.
Enfim, cá estão todos: parabéns.

(Diogo Verri Garcia, Rio, 24/10, de 1986 – digo, de 2018)

*Autoral


Créditos da imagem: arquivo pessoal

A Menina de Tranças

Por: Tadany Cargnin dos Santos

 

Bom dia Menina, da garbosa trança

Hoje, rodopie elegantemente pelo cosmos

Libere tua majestosa dança

Coreografados passos ao centro de teu universo

Reencontre-se com tua intrínseca herança

Nela verás harmônicas estrelas cintilando

E notarás na harmonia, uma formidável semelhança

No baile desta exuberante manifestação

Encontrarás melífluas notas de bonança

E, no êxtase de tua folia, com os gestos e passos da vida

Formarão um sincronizado casal, alegórica aliança

Inspiradoras fantasias e reveladoras imaginações

De amor, liberdade, coragem e bem-aventurança

Então, levante e dance, bela menina

Dos olhos brilhantes e da mágica trança.

Para citar este Poema:

Cargnin dos Santos, Tadany. A Menina de Tranças.www.tadany.org®

Alérgicos, contém humanos!

IMG-20181018-WA0023

Por: Mona Vilardo

Essa semana comprei uma caixa de ovos caipiras que tinha o seguinte aviso: “Alérgicos, contém ovos”.
Fiquei parada uns 20 segundos para conferir se era aquilo mesmo que eu estava lendo. Li umas três vezes, verifiquei toda a embalagem e constatei que aquele era realmente o único aviso no estilo “tenha cuidado”.
Ri e achei curioso. Comecei a fazer um paralelo com tudo que tenho visto acontecer entre colegas, amigos, parentes…seres humanos!
A falta de respeito por todos os lados nunca se fez tão presente. Na minha opinião, todos deveriam ter uma regra de etiqueta quando quisessem tocar em assuntos como religião e política.
Por exemplo: Se você quer convencer alguém que sua religião é maravilhosa ou que o seu candidato é fenomenal você deveria mandar uma mensagem antes (áudio, texto, sinal de fumaça…sei lá) e perguntar se você pode “infernizar” a vida do seu amiguinho de opiniões pessoais ou até mesmo de xingamentos e alienações que só dizem respeito à você, ou no máximo, à sua mãe que diz achar lindo tudo que você faz.
Melhor ainda, acho que os aplicativos de conversa já deveriam vir com essas perguntas programadas, entende? Tipo aquelas que aparecem quando você não pode atender a ligação:
“Estou numa reunião, ligue depois”
“Não posso atender agora”
Antes de encher o whatsapp e o messenger dos amigos com suas opiniões, que tal mandar um com licença?
“Quanto tempo, tudo bem? Posso te falar do Reino dos Céus? ”
“Boa tarde, tá a fim de ouvir sobre o meu candidato? ”
“Bom dia, viu como o dia está lindo? Vem cá, curte macumba? ”
Sei lá…são algumas ideias que me vieram agora. Dada a resposta do seu amigo, você começa ou não o seu disparo!
Algumas pessoas parecem ser alérgicas à cordialidade, às boas maneiras e às regras de boa convivência, e me parece que o surgimento das redes sociais só aumentou a maneira errada de se “entrar na casa das pessoas”. E não vem com essa de que “No meu feed eu coloco o que eu quiser”: ser cordial é bom em qualquer lugar e em qualquer momento. Essa frase só aumenta a quantidade de gente que olha para o seu próprio umbigo e passa por cima de tudo.
Do jeito que as coisas estão indo, toda criança ao nascer terá que ter uma plaquinha “Alérgicos, contém humanos”, representando toda humanidade que uma pessoa carrega e que deve ser respeitada. Assim como é óbvio que tem ovos numa caixa de ovos, é óbvio também que a humanidade tem opiniões e gostos diferentes. Mas parece que poucos sabem que somos humanos antes de qualquer escolha de deuses, partidos e governantes.
Talvez seja melhor eu fazer a minha placa, até dia 28 receberei em minha “casa” pessoas que queiram comer um ovo comigo, seja ele branco, vermelho ou rosa.

 

Melhor de si

Por Thiago Amério

leão e gato

 

Melhor de si

Melhor para si

Melhor dos outros

Melhor para os outros

 

A questão é que as pessoas não querem dar o melhor de si,

mas colher o melhor para si.

Também não querem dar o melhor para os outros,

mas colher o melhor dos outros.

Embora seja a troca de uma só palavra (de/para),

em significado,

MUITO

representa.