Categoria Diogo Verri Garcia

Sonoro Calado

Por: Diogo Verri Garcia. Vejo quatro cordas, Quase mortas, Que não tocam, Que não falam Quase nada. Nem um som, nem uma nota solta, Ou um semitom. Tem traços de ferrugem, Marcas de dedos pelos braços, Uma boca que não tem lábios, Um corpo que não dá abraços. A mão fria, sem calos. Mas que […]

Ler mais

Aquestos Finais.

Por: Diogo Verri Garcia. AQUESTOS FINAIS Oremos Para que nenhum mal adicional nos apareça; Para que o improvável venha a nós com sutileza; Para que, por felicidade, a vida se restabeleça. Peçamos Um pouco mais, face ao tanto que a rotina já nos dera; Um ar mais leve, feito o começo de nossa paquera; Um […]

Ler mais

Mar em Oração

Por: Diogo Verri Garcia. MAR EM ORAÇÃO Seja forte, como o mar é forte, Mas te amolde e te quebre como as ondas que batem. Seja leve, como o mar é leve, Com ondas breves, como as que rompem a tarde. Seja bravo e te defenda do argumento, Quanto te calarem o pranto e te […]

Ler mais

Descredenciado Poeta

Por: Diogo Verri Garcia DESCREDENCIADO POETA A poesia, quando sai do poeta, É livre, sem responsabilidade. Quem assume seu próprio risco é o leitor Que lê o que quer, adota suas próprias verdades. Descredencia cada palavra dita, Que não pertence mais a quem as fez. Os prantos podem se tornar sorrisos; Os risos, desatar de […]

Ler mais

Verso Testamental

Por: Diogo Verri Garcia A quem não quer sentir saudade, Deixo um adeus, e nada mais. Pois mal nenhum o tempo faz Se é boa a vontade que nos leva. A quem não sabe o que é tristeza, Trago o dissabor, por ameaça. Faço findo o que é eterno, Deixo perene o que passa. A […]

Ler mais

Vinte e Seis

Por: Diogo Verri Garcia. Tem vezes que o amor arrepia E depois que nos contagia, ele vai, e nos deixa saudade. Tem vezes que os olhos serenos esbugalham, Deixam de ser amenos, Tamanha a sinceridade. Tem vezes que a dúvida é maior que a tristeza, Por não entender o motivo De não haver alternativa. Tem […]

Ler mais

Grão e Migalhas

Por: Diogo Verri Garcia Nesta quarta-feira, escrevo a poesia autoral “Grão e Migalhas”, publicada no ano de 2006 na antologia “Poesias Brasileiras”, sob o nome de “Migalhas”. Espero que gostem. Rio de Janeiro, 01/08/2018 “GRÃO E MIGALHAS” Por vezes, insistem em dar migalhas, Enquanto minha mente anda morta de fome. Fome por fome, estou acostumado, […]

Ler mais

Temos um novo escritor!

Por: Diogo Verri Garcia Acabamos de receber um novo membro, que escreverá conosco às sextas-feiras. Diretamente da Feira Literária de Paraty (FLIP 2018), Álvaro Assis contatou Thiago Amério e vem fazer parte do grupo do Literarte: a arte procurando ser reposta. O escritor petropolitano, que tem por acervo poemas e crônicas, é autor, dentre outros, […]

Ler mais

Vai, Rapaz! (Poesia)

Por: Diogo Verri Garcia Caros leitores, Passo a escrever todas as quartas-feiras, impreterivelmente. Na estreia do ciclo, inicio com “Vai, Rapaz!”, poesia autoral e inédita. Espero que apreciem. Rio de Janeiro, 25/07/2018 Diogo Verri Garcia, VAI, RAPAZ! Te disseram que o tempo é morada, Caminho para todos que sofrem. Te falaram que a vontade ficou […]

Ler mais

Como seria a primeira postagem?

Por: Diogo Verri Garcia Afinal, como seria a primeira postagem de um blog voltado à literatura, às crônicas e à poesia? Com quais palavras escrever e com que argumentos sustentar? Poderia ser dito que a palavra é uma vocação inata ao homem, tanto quanto dar passos e respirar; ou que a razão não caminha de […]

Ler mais